6 a 9 meses

Comunicação

Crédito da foto: divulgação

Nesta etapa do desenvolvimento, o bebê aprende a se comunicar cada vez melhor. Ele já começa a emitir diferentes sons e, muitas vezes, compreende que receberá atenção se fizer barulhos diferentes além de chorar. Além disso, mostra satisfação ao interagir socialmente com outras pessoas e vira o pescoço ao ouvir vozes familiares.

Em média, os bebês com síndrome de Down começam a reagir apropriadamente a gestos como “olha aqui, venha para o colo” aos oito meses. Se isso não acontecer, não se preocupe: essa etapa de desenvolvimento pode se estender até os 13 meses.

Desenvolvimento sócio-emocional

Provavelmente o bebê já reconhece sua imagem quando é apontado para um espelho e tenta se aproximar dela. Por volta de oito meses, é possível que ele já aceite receber alimentos sólidos. Nesta fase, a criança deve começar a ser incluída no ritmo da família (horário de refeições, de dormir etc), como qualquer outro bebê – para entender que, nem sempre, ela pode fazer o que quer.

Desenvolvimento motor

O bebê sustenta a cabeça sozinho quando sentado. Além disso, consegue sentar com o tronco reto e consegue rolar completamente. Muitos bebês já começam a sentar sozinhos e engatinhar.

Ele já agarra objetos próximos e pode ser capaz de balançá-los. Além disso, pode participar da brincadeira de esconde-esconde mexendo a cabeça para retirar uma toalha ou outro pano utilizado para tampar seus olhos.

Aos oito meses, em média, o bebê com síndrome de Down procura com os olhos objetos que tenham desaparecido de seu campo visual, desiste de um objeto para pegar outro e já troca um mesmo objeto de uma mão para a outra.

No Guia de Estimulação para bebês com síndrome de Down do Movimento Down, você encontra diversas sugestões de atividades que podem contribuir para o desenvolvimento da criança. Baixe aqui o fascículo sobre estimulação para bebês com idade entre seis e nove meses.



Patrocínio
Institucional

Patrocínio


O Movimento Down é uma iniciativa do Observatório de Favelas do Rio de Janeiro e é filiado à Federação Brasileira das Associações de Sindrome de Down(FBASD), a Down Syndrome International(DSI) e a Rede Nacional da Primeira Infância(RNPI).