Quem nasceu, minha filha ou o diagnóstico?

Capa do livro quem nasceu, minha filha ou o diagnostico, pintura estilizada de mamae amamentando bebe.A mais nova Conselheira do Movimento Down, Vivi Reis, lançou o e-book “Quem nasceu, minha filha ou o diagnóstico?” onde revisita o nascimento da filha, Clara, e propõe reflexões sobre emoções passadas.

O livro digital está disponível para compra neste link: https://sun.eduzz.com/682059?cupom=PresenteLancamento

 

“Quando nasce um bebê, nasce também uma série de emoções, de sentimentos e expectativas.

Compreender que o natural é sermos diversos e não padronizados é o grande objetivo deste livro, onde pude mergulhar dentro de tantos medos e incertezas, e trazer para você, um pouquinho deste caminhar.

Aprendi a colorir uma vida que muitos dizem ser uma vida em preto e branco.

Aprendi que as cores que faltavam para desenhar essa maternidade, essa nova eu, estavam já por aí, apenas não percebia que as cores que me foram entregues junto com a maternidade não contemplavam este novo olhar.

O grande desafio, foi enxergar minha filha antes do diagnóstico de Síndrome de Down.

Quantas vezes buscava uma conexão com seu olhar, pegando sua mãozinha e de repente aparecia um novo susto, uma possibilidade de outro diagnóstico que pudesse colocar em risco sua vida.

Lembro ainda hoje do dia em que ela me sorriu e eu a enxerguei, eu vi minha menininha linda, de olhos amendoados e bochechas rosadas. Era ela sim, a criança que tanto sonhei, pois ela era real, ela era minha e eu dela.

Não sei quanto tempo durou aquela troca de olhar, talvez segundos, minutos, não importa, mas ela estava ali, me pedindo para ser apenas a minha menina e eu sua mãe.

Quanto mais nos conhecíamos, mais me sufocavam as palavras e atitudes que insistiam em dizer que a sua vida não deveria ser celebrada.

Palavras como luto me doíam mais que qualquer diagnóstico.

E comecei a questionar, a fazer novas perguntas, sobre mim, sobre ela, e principalmente, sobre sermos respeitadas por quem somos.

Este livro contém muito de mim, da minha maternidade, mas ele também é a história de muitas outras mães e pais que se sentem perdidos em meio à um turbilhão de emoções quando recebem a notícia de um possível diagnóstico do seu filho.

Não são apenas frases, palavras ou relatos, este livro é semente, para que, juntos, possamos mergulhar nas nossas histórias e emergir com mais força, na certeza de que não estamos sozinhos, ressignificando este momento tão importante do nascer.”

 

Vivi Reis – educadora, escritora e fundadora do @inclusivamente, acredita que a construção plural, através da valorização da diversidade é o caminho para que TODOS possam se sentir pertencentes e incluídos.

 

SOBRE O LIVRO

“Em “Quem nasceu, minha filha ou o diagnóstico?”, Vivi Reis devolve a nós, familiares de pessoas com deficiência, a possibilidade de refletir e revisar os sentimentos que tivemos quando recebemos o diagnóstico de nossos entes queridos.

Não, não foi luto.

Foi uma reação ao desconhecimento, à incerteza e à cultura capacitista em que crescemos.

Uma cultura que não valoriza a vida das pessoas com deficiência.

Infelizmente, muitos de nós crescemos aprendendo que devemos temer e nos apartar dos “outros”, dos “diferentes”.

A convivência é a chave da inclusão. Vamos rever nossos pré-conceitos, valorizar e festejar a vida de todos!”

 

Patricia Almeida – Cofundadora do Movimento Down

 

Mais informações: https://www.inclusivamente.com.br/